Quem sou eu

Minha foto
Sou advogado, político, petista filiado, escritor frustrado. Quero escrever. Parece que aqui será um bom lugar... Um blog o que é? Pode ser muita coisa. Hoje é um sonho de ser algo bom. Amanhã eu não sei, mas sei que quero escrever, se possível algo que anime mais pessoas a escreverem comigo. Vou tentar, vamos ver o que dá...

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Meire Nicoletto Pignanelli


Comigo aconteceu assim. Eu havia acabado de deixar a AFA (sim, fui Cadete do Ar), e na minha ausência meu irmão e meu o melhor amigo começaram a encontrar nossos outros amigos em uma rua aqui perto da minha. Nesta rua eu a conheci e, juro, conheci a pessoa mais especial que qualquer um poderia conhecer.


Nunca fomos mais do que amigos, mas amigos de verdade, de segredar, de sentar em algum canto sem falar nada um com o outro mas estar em plena sintonia, com a gente e com tudo o que estava ao nosso redor.


Meire era um estouro de pessoa, que entrava em nossa vida e ali ficava, para sempre, estando ou não estando perto. Ela se chamava de Meirão, vê se pode, e nunca, mas nunca mesmo, eu a vi se desentender com ninguém.


Há uma música que diz: "(...) time keeps flowing like a river to the sea (...)". É uma música do Alan Parsons, que compara o tempo (em nossa vida) a um rio, que vai indo, vai indo, no seu curso, não parando para nada, e com ele se vão nossos amores e amigos. A música chega a dizer: "(...) Goodbye my friends, maybe for forever, goodbye my love, now I must leave (...)".


Com ela foi assim, a gente foi mudando de vida, ela se mudou para Itapecerica da Serra, eu comecei o namoro com minha esposa e no meu casamento foi a última vez que a vi.


Quando comprei meu primeiro computador e fui decifrando os mecanismos da Internet, passei anos buscando essa minha amiga. Na busca, encontrei seu irmão, que depois de lembrar de mim me contou que ela tinha ido embora, para sempre, porque uma doença rara a havia levado de nós.


Confesso que foi o maior choque de minha vida, imaginar que a Meire tinha ido e que eu tinha tanta coisa prá falar prá ela, tanta coisa prá perguntar, prá contar e eu não pude. Fui me despedir, até prá, de fato, acreditar que eu não mais a veria.


Hoje, fuçando na internet, achei essa foto dela em um site que registra baladas. Foi um presente para mim; meu deu vontade de falar dela e apresentar ela para vocês. A foto está perfeita, ela era isso mesmo, sorriso e alegria.


Só posso dizer que ainda é difícil imaginar que ela não mais nos acompanha aqui neste mundão.


Pois é, e a vida é mesmo como um rio, fluindo sem parar para o mar...


Abraços,


Cesar

13 comentários:

  1. Olá César, vou aproveitar o blog para dar os parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Prezado Dr. Cesar:
    Aqui quem escreve é o José Manuel, advogado de Araraquara-SP. que prestou serviços para o sindicato na região de Araraquara. Inicialmente gostaria de dar os parabens pela iniciativa do blog, certamente sera um espaço de grande utilidade para todos. Sabedor do seu envolvimento nas eleições da OAB/SP., venho informar que estou disponivel para ajudar no que for preciso.

    ResponderExcluir
  3. puxa...que texto lindo! (Meire)

    Evelise

    ResponderExcluir
  4. Que bom saber que as pessoas lembram da minha irmã. Eu sinto mesmo muita falta dela, foi um 'choque' pra todo mundo quando ela se foi. Mas agora ela é um anjinho que está protegendo a todos nós.

    ResponderExcluir
  5. Cesar,
    Imagino o que foi para vc saber da Meire, e para a família, principalmente o irmão.
    Ela, pelo jeito que vc contoum era uma pessoa muito legal, daquelas que a gente quer ter sempre por perto.
    Agora vou dizer uma coisa, perder um amigo não é fácil!
    Deixar de ver pessoas iluminadas doi muito! Bonito seu relato.
    Celia

    ResponderExcluir
  6. Cesar

    Emociona o texto que você escreveu para sua amiga Meire - sempre que fico sabendo que uma criança ou um(a) jovem faleceu - mesmo que eu não conheça - eu sinto uma tristeza muito grande - é porque eles tinham um mundo para desbravar - uma vida repleta de novas experiencia e aventuras pela frente - e infelizmente não terão mais nada disso perderão essa oportunidade - eu considero isso uma fatalidade.
    Estou enviando para você um Soneto do Vinicius de Moraes - que eu gosto muito (eu acho que você já deve conhecer), mas vou mandar assim mesmo - é a minha homenagem a você e a sua amiga Meire a amizade de vocês dois.

    Soneto do amigo

    Enfim, depois de tanto erro passado
    Tantas retaliações, tanto perigo
    Eis que ressurge noutro o velho amigo
    Nunca perdido, sempre reencontrado.

    É bom sentá-lo novamente ao lado
    Com olhos que contêm o olhar antigo
    Sempre comigo um pouco atribulado
    E como sempre singular comigo.

    Um bicho igual a mim, simples e humano
    Sabendo se mover e comover
    E a disfarçar com o meu próprio engano.

    O amigo: um ser que a vida não explica
    Que só se vai ao ver outro nascer
    E o espelho de minha alma multiplica...

    Vinicius de Moraes

    Abraços,
    Jussara e Basilio

    ResponderExcluir
  7. Lindo seu relato Cesar. Quem disse que você é um escritor frustrado? Ser escritor é deixar o coração falar, e aqui está a prova de que você é um GRANDE ESCRITOR!!! Parabéns!!!!

    Profa. Edmeura

    ResponderExcluir
  8. Nossa Cesar, hoje me deu uma saudades da Meire... nós viviamos juntas antes dela se mudar p Itapecerica, sempre com sua felicidade indescritivel, ela era especial mesmo, divertidissima.
    Ela sempre falou que irira morrer jovem, ate parece q ela sabia ne?

    Obrigada por me fazer lembrar de tantas coisas boas hoje...
    Elen.

    ResponderExcluir
  9. Parei aqui para te dar os parabéns!!

    ResponderExcluir
  10. Cesar, cheguei aqui lendo a comunidade da APEOESP. Vc é muito competente no que faz e lendo as suas respostas eu aprendo muito e tiro inúmeras dúvidas a respeito da minha vida funcional.
    A respeito da Meire...me desculpe, mas só mesmo um homem (mesmo um homem encantador como vc) mas só mesmo um homem para não ter percebido que a Meire amou vc...amou sem esperanças, pois sabia que não era correspondida...amou em silêncio, e vc nao imagina como ela esperava com ansiedade as suas voltas nos feriados da AFA...
    Ela te amou, Cesar...por isso ela nao te contou que estava doente. Mas nao fique triste: vc a amava como a uma irmãzinha, e seu coração é generoso e bom. Seja muito feliz com sua esposa, pois vc merece.
    Como posso saber essas coisas , se nao os conheço? Respondo: sua escritora, e talvez por isso eu tenha uma intuição mais apurada para as coisas do amor, e para o universo feminino.
    Quando puder, visite o meu blog, tá?
    Obrigada pelas consultas lá no ORKUT.

    ResponderExcluir
  11. Parabéns pelo blog Cesar... esse texto me fez lembrar do Eterno Devir de Heráclito... tudo flui...
    abraço

    ResponderExcluir
  12. Cezinha,

    Obrigado pelas lindas palavras sobre " MEIRÃO".

    Realmente foi uma perda grande, sofrida e repentina.

    Sei que ela está num lugar especial que Deus reservou para ela!!!

    Me perdoe por só ver agora seu blog.

    Abçs

    Mazinho

    ResponderExcluir
  13. Meirão como foi conecida realmente foi um ser muito especial, para mim uma irmã, lembro sempre do aniversario dela que é dia 10 de setembro, uma pessoa maravilhosa sempre pronta a ajudar, so quem a conheceu teve esse previlegio......nunca esqueceria ela....minha eterna irmã....garanto que ela ai ser a primeira pessoa a dar a mão a mim........Meire....sempre vou te amar. Muitas saudades...Tania.

    ResponderExcluir